A Via Láctea é um exemplo de uma grande galáxia espiral; uma vasta coleção de 200-400 bilhões de estrelas. Galáxias muito menores do que a nossa são conhecidas como galáxias anãs (ou satélites). Elas contêm apenas algumas bilhões de estrelas e possuem uma ínfima fração da massa de galáxias maiores, como a Via Láctea.

Um bom exemplo de uma galáxia anã é a Grande Nuvem de Magalhães, distante 160.000 anos-luz da Terra. Ela detém a décima parte da massa da Via Láctea e 10% de suas estrelas (20-40 bilhões). Duas outras galáxias anãs estão ainda mais próximas da Via Láctea, capturadas por sua gravidade.

Outras galáxias anãs são apenas restos que foram desmanchados pela gravidade da Via Láctea e estão atualmente a ser incorporadas em sua estrutura.

A Grande Nuvem de Magalhães (LMC) e a Nebulosa da Tarântula, acima, à esquerda. (Clique para ampliar)

A Grande Nuvem de Magalhães (LMC) e a Nebulosa da Tarântula, acima, à esquerda. (Clique para ampliar)

Alguns astrônomos pensam que o maior aglomerado globular da Via Láctea, Omega Centauri, poderia ter sido num passado não tão distante uma galáxia anã que teve suas estrelas exteriores arrancada.

Assim como seus primos maiores, galáxias anãs podem ser classificadas em três variedades: elípticas, irregulares e espirais.

As menores galáxias anãs do Universo são conhecidas como Galáxias Anãs Ultracompactas, recentemente descobertas pela comunidade astronômica, com massa ligeiramente superior a um aglomerado globular. Elas podem bem pequeninas, medindo cerca de 200 anos-luz de diâmetro (a Via Láctea mede 100.000 anos-luz). Pensa-se que as galáxias anãs ultracompactas são apenas os núcleos de galáxias elípticas que por algum motivo bastante violento (como a ação de um buraco negro ou uma galáxia maciça) se desprendeu e tornou-se uma estrutura própria.

Se você curtiu o assunto e deseja obter mais informações sobre o nosso Universo, visite a seção “Enciclopédia” ou o “Guia para o Espaço” – com artigos e conceitos diversos que enriquecerão seu vocabulário científico. Aproveite!

Fonte: Universe Today


Gostou do Acervo? Ajude-nos a crescer! Curta a nossa página no Facebook.

COMPARTILHE O POST COM SEUS AMIGOS! 😉

Comentários

comentários

Sobre o Autor

Gabriel Pietro têm 18 anos, é Web Designer e Redator do Acervo Ciência, escrevendo diariamente para o site. Já bancou uma de técnico de informática, e ainda banca de astrônomo amador, sua maior paixão. Atualmente gradua-se no curso de Gestão da Informação, na Universidade Federal de Uberlândia, que não sabe se é de exatas ou de humanas. Assim como ele. Também é aficionado por cinema, comics, política, economia, tretas e música indie. Bata tudo isso no liquidificador e tente entender sua cabeça.