A linguagem mais difícil para uma pessoa comum aprender depende do seu idioma nativo e sobre quão próximo a sua língua materna está da cultura na qual se vai aprender.

Por exemplo, enquanto a língua japonesa é apontada como uma das mais difíceis de se dominar – para os ocidentais -, não é o mesmo caso para os chineses.

A razão pela qual o japonês é tão difícil para falantes nativos do inglês ou mesmo do português têm a ver com o seu complexo sistema de escrita, que é completamente diferente do clássico alfabeto A-Z. O idioma japonês possui três diferentes alfabetos – kanji, que é composto de cerca de 15.000 caracteres, katakana que é usado para dar ênfase, e hiragana para sufixos de ortografia e gramática.

O japonês é classificado pelo Instituto de Serviços Estrangeiros (EUA) como a língua mais difícil de se aprender para os falantes nativos do inglês. O instituto usa o tempo que leva para aprender uma língua para determinar sua dificuldade: 23-24 semanas para a mais fácil e até 88 semanas para a mais difícil.

Não há uma pesquisa semelhante no Brasil, mas acreditamos que o resultado final seja bem semelhante…

Os idiomas incluídos na categoria mais fáceis são o dinamarquês, francês, italiano, espanhol e sueco.

Os mais difíceis, árabe, cantonês, japonês, coreano e chinês-mandarim.

A ironia é que falantes nativos japoneses, de mesmo modo, têm considerável dificuldade em aprender o idioma inglês. Vários linguistas apontam que a grande complicação na aprendizagem se dá no ato de distinguir o sons das letras L e R, pois sua língua não os diferencia.#RapidinhasAcervo

Fonte: LiveScience

Gostou do Acervo? Ajude-nos a crescer! Curta a nossa página no Facebook. De quebra você concorrerá, toda semana, à um par de ingressos para o cinema. Não satisfeito? Final do ano têm sorteio de um telescópio amador!

COMPARTILHE O POST COM SEUS AMIGOS! 😉

Comentários

comentários

Sobre o Autor

Gabriel Pietro têm 18 anos, é Web Designer e Redator do Acervo Ciência, escrevendo diariamente para o site. Já bancou uma de técnico de informática, e ainda banca de astrônomo amador, sua maior paixão. Atualmente gradua-se no curso de Gestão da Informação, na Universidade Federal de Uberlândia, que não sabe se é de exatas ou de humanas. Assim como ele. Também é aficionado por cinema, comics, política, economia, tretas e música indie. Bata tudo isso no liquidificador e tente entender sua cabeça.