A Terra pode ter um novo vizinho. Um exoplaneta muito parecido com o nosso em um sistema estelar ‘apenas’ 16 anos-luz de distância de nós (cerca de 160 trilhões de quilômetros). O planeta orbita uma estrela chamada Gliese 832, que já abriga outros dois exoplanetas já conhecidos: Gliese 832B e Gliese 832C. As descobertas foram publicadas em um novo estudo por Suman Satyal, da Universidade do Texas.

Gliese 832B é um gigante gasoso semelhante à Júpiter, possuindo 64% de sua massa, e orbita sua estrela a uma distância de 3,5 UA (525 milhões de quilômetros). Gliese 832B provavelmente desempenha um papel semelhante a Júpiter em nosso Sistema Solar, definindo equilíbrio gravitacional. Gliese 832C é uma Super-Terra, cerca de cinco vezes mais massiva que o nosso planeta, orbitando sua estrela à próximos 0,16 UA (24 milhões de quilômetros); provavelmente é rochoso e se encontra na borda interna da zona habitável, mas provavelmente perto demais de sua estrela para a habitabilidade. Gliese 832, a estrela-mãe destes planetas, é uma anã vermelha com cerca de metade do tamanho do nosso Sol, em massa e raio.

Uma representação artística de Gliese 832c e, ao fundo, uma nebulosa estelar. Um novo estudo sugere que Gliese 832 poderia ser lar de outro semelhante à este, mas na zona habitável. Crédito: Laboratório de Habitabilidade Planetária da Universidade de Porto Rico, Arecibo, NASA/Hubble, Stellarium.

Uma representação artística de Gliese 832c e, ao fundo, uma nebulosa estelar. Um novo estudo sugere que Gliese 832 poderia ser lar de outro semelhante à este, mas na zona habitável. Crédito: Laboratório de Habitabilidade Planetária da Universidade de Porto Rico, Arecibo, NASA/Hubble, Stellarium.

O planeta recém-descoberto ainda é hipotético, uma vez que um novo trânsito seja necessário para confirmá-lo (isto é, que ele seja novamente detectado passando pelo raio de sua estrela) e os pesquisadores colocam sua massa entre 1 e 15 massas terrestres, e sua órbita, entre 0,25-2,0 UA.

Os dois planetas previamente descobertos em Gliese 832 foram descobertos usando a técnica de velocidade radial, que detecta planetas procurando por oscilações na estrela hospedeira e como ela responde à força gravitacional exercida sobre ele e outros planetas em órbita. Estas oscilações são observáveis através do efeito Doppler, quando a luz da estrela afetada é deslocada de escala de vermelho e da escala de azul quando esta se move.

A equipe por trás deste estudo reanalisou os dados do sistema Gliese 832, baseada na ideia de que a grande distância entre os dois planetas já detectados valida a possibilidade de mais planetas nesse entremeio. De acordo com outros sistemas solares estudados pela Kepler, seria altamente incomum tal intervalo (vazio) existir.

Como dito em seu estudo, o principal objetivo do estudo é explorar o efeito gravitacional que o planeta maior têm sobre o menor, e também sobre a hipotética Super-Terra que pode habitar o sistema.

Isso tudo pode soar como um “abracadabra” de certa forma, como muitas pessoas costumam apontar, uma vez que encontrar um exoplaneta tão pequeno, tão longe e cuja luz ainda é ofuscada pelo brilho colossal de sua estrela parece ser tão difícil, que beira o impossível. Seria como detectar, do alto da atmosfera da Terra, a luz de um farol de carro em meio ao brilho inteiro de uma metrópole (método de trânsito). No entanto, este tipo de modelagem (a velocidade radial), a simulação é muito rigorosa e feita sob a luz dos instrumentos mais modernos da atualidade, gerida pelos cientistas mais competentes do planeta.

Colocar todos os dados conhecidos sobre o sistema Gliese 832, incluindo dados radiais de velocidade, inclinações orbitais e as relações gravitacionais entre o planeta e a estrela, e entre os próprios planetas, produz bandas de probabilidade onde anteriormente poderiam existir planetas não-detectados. Este resultado indica aos caçadores de planetas onde começar a procurar por planetas.

No caso deste trabalho, o resultado indica que “há uma pequena janela de cerca de 0,03 UA em que um planeta como a Terra poderia ser estável, bem como permanecer na zona habitável.” Os autores são rápidos em apontar que a existência deste planeta não estar ainda provada, apenas especulada.

Os outros planetas foram encontrados usando o método de velocidade radial, o que é bastante confiável. Mas ela só fornece pistas para a existência de planetas, isso não prova que eles estão lá. Ainda. Os autores reconhecem que um maior número de observações da velocidade radial são necessários para confirmar a existência deste novo planeta. Exceto que, tanto o método de trânsito utilizado pela sonda Kepler, ou observação direta com telescópios poderosos, também podem fornecer uma prova positiva.

Até aqui (setembro/2016), a sonda espacial Kepler confirmou a existência de 3.387 planetas. Mas a Kepler não pode olhar em todos os lugares para os planetas. Estudos como estes são cruciais em dar à nave pontos de partida na busca de exoplanetas. Se um exoplaneta ser confirmado no sistema Gliese 832, então ele também confirma a precisão da simulação da equipe por trás deste trabalho realizado.

Se confirmado, Gliese 832 C irá se ajuntar a uma lista crescente de exoplanetas. Não faz muito tempo que nós não sabíamos nada sobre outros sistemas solares. Tínhamos conhecimento apenas do nosso próprio. E mesmo que sempre fora improvável que o nosso Sistema Solar, por algum motivo, fosse especial, não tínhamos um certo conhecimento da quantidade (bem palpável) de exoplanetas em outros sistemas solares.

Estudos como este acrescenta à nossa crescente compreensão da dinâmica de outros sistemas solares, e a população de exoplanetas na Via Láctea, e muito provavelmente em todo o Cosmos.

Fontes: Universe Today, Caltech.

Projeto Acervo Ciência

 


COMPARTILHE O POST COM SEUS AMIGOS! 😉

Comentários

comentários

Sobre o Autor

Gabriel Pietro têm 18 anos, é Web Designer e Redator do Acervo Ciência, escrevendo diariamente para o site. Já bancou uma de técnico de informática, e ainda banca de astrônomo amador, sua maior paixão. Atualmente gradua-se no curso de Gestão da Informação, na Universidade Federal de Uberlândia, que não sabe se é de exatas ou de humanas. Assim como ele. Também é aficionado por cinema, comics, política, economia, tretas e música indie. Bata tudo isso no liquidificador e tente entender sua cabeça.