Aqui está uma “imagem real da Terra vista do espaço, incluindo o lixo espacial”.

artigo-176_segundo

…e aqui está a imagem de um pântano incluindo mosquitos.

artigo-176_terceiro

A escala é algo que tendemos à interpretar e visualizar de forma incorreta. Claro que isso não significa que um objeto (ou um grande conjunto deles) relativamente pequeno e invisível deixe de ser perigoso – a ameaça é a mesma.

Para não terminar… (Ou: pra você que esperava uma imagem semelhante à Wall-E!)
Só que não.

Bem realistíco. Só que não.

 

 

 

 

 

 

 

Há cerca de 3.600 satélites em órbita. Um grande satélite possui aproximadamente o tamanho de um ônibus. Imagine 3.600 ônibus estacionados ao redor da Terra. Você seria capaz de vê-los? Isso representa um ônibus para cada 88.500 quilômetros quadrados!

Ah, e uma vez que você está em órbita, há ainda mais espaço. Satélites orbitam o nosso planeta à uma distância que varia de 320 quilômetros até mais de 35.400 quilômetros (35.796 quilômetros trata-se de uma órbita geoestacionária). Nesta órbita, um satélite gira em torno da Terra uma vez a cada 24 horas, por isso segue a rotação dela, e está sempre acima do mesmo ponto no chão.)

Levando nossos 3600 ônibus à órbita de 35.000 km, cada ônibus teria cerca de 2,7 milhões de quilômetros quadrados de espaço para si. É muito espaço!

artigo-176_quinto

Você também pode estar pensando nos chamados detritos (ou lixos) espaciais. Eles são estimados em cerca de 200 milhões de objetos, mas a grande maioria deles têm menos de meia polegada de tamanho.

artigo-176_sexto

Deve-se notar que os pontos brancos na figura acima representam detritos, mas são mostrados significativamente maiores do que o seu tamanho real para a sua visibilidade na imagem.[Fonte: Quora]

 

 

 

Acompanhe o Acervo no Facebook!

(O que você está esperando pra curtir?)


COMPARTILHE O POST COM SEUS AMIGOS! 😉

Comentários

comentários

Sobre o Autor

Gabriel Pietro têm 18 anos, é Web Designer e Redator do Acervo Ciência, escrevendo diariamente para o site. Já bancou uma de técnico de informática, e ainda banca de astrônomo amador, sua maior paixão. Atualmente gradua-se no curso de Gestão da Informação, na Universidade Federal de Uberlândia, que não sabe se é de exatas ou de humanas. Assim como ele. Também é aficionado por cinema, comics, política, economia, tretas e música indie. Bata tudo isso no liquidificador e tente entender sua cabeça.