Para mim uma das coisas mais legais do método científico é que tudo tem uma explicação, e a resposta “Porque é assim e pronto” ou “Porque alguma força superior assim deseja” não é válida.

Muitas coisas podem não ser entendidas, mas elas não são ignoradas. Se algo está acontecendo é por algum motivo preciso e a comunidade científica vai descobrir, por mais complicado e demorado que seja.

Assim, a ciência está repleta de coisas que existem, mesmo a gente não sabendo como, por que, desde quando ou com qual propósito. Mas o que importa é que seguimos buscando as soluções.

Veja o top 10 de assuntos inexplicáveis para a Ciência e as suas principais teorias.

10 – Cadê vocês?

Para começar algo simples que todo mundo já se questionou: Onde está todo mundo?

Como já falamos nesse outro lindo artigo, o universo é inimaginavelmente gigante (e está aumentando em uma velocidade incrível a cada milionésimo de segundo). Acredita-se que o universo observável meça mais de 90 bilhões de anos luz de diâmetro.

Apenas para dar um gostinho do tamanho disso tudo: somente a nossa galáxia, a Via Láctea, tem algo entre 100 e 400 bilhões de estrelas. Como você sabe, nosso sol é uma estrela, então não é de se espantar que esses bilhões de outras estrelas tenham seus trilhões de planetas em órbita. Ahh, lembre-se que estamos falando de uma galáxia. Existem mais de dois trilhões delas, cada uma com seus bilhões de estrelas e por aí vai…

Agora, pensando racionalmente, você tem de concordar que as chances de haver vida em outros planetas são infinitamente maiores do que as chances de estarmos sozinhos, certo? Existe até mesmo uma equação “pessimista” que reduz à casa dos milhões de planetas possíveis para a vida. No entanto, cadê todo mundo?

Não se trata de crença em extraterrestres e personagens hollywoodianos, mas de números e estatísticas. Para tentar explicar essa contradição surgiu o famoso Paradoxo de Fermi (explicado em detalhe nesse post). Com uma série de teorias ele tenta explicar porque ainda não conseguimos encontrar nenhuma forma de vida na imensidão do universo.

Enquanto isso a ciência segue buscando.

9 – Por que dormimos?

Parece simples, mas não é. Até hoje a ciência ainda não conseguiu explicar por que dormimos, ou melhor, por que dormimos da maneira como dormimos.

Sabemos, claro, que o sono é fundamental para a saúde da maioria dos animais do planeta. É nesse momento que nós, humanos, reparamos danos ao nosso corpo e fazemos com que o cérebro se recupere das últimas horas em atividade. Mas o problema é a quantidade: enquanto alguns animais precisam de poucas horas para se recuperar totalmente, nós precisamos de uma média de 8 horas diárias.

Caso você nunca tenha feito as contas, isso é um terço do dia, que vai dar 10 dias em 1 mês, 4 meses em 1 ano, ou, espante-se: 25 anos roncando em uma vida média de 75 anos.

Algumas teorias dizem que passamos a dormir mais quando nos tornamos o topo da cadeia alimentar. Sem predadores que pudessem nos matar enquanto descansamos, podemos nos dar ao luxo de boas horas de sono. No entanto a resposta está longe de ser definitiva. E ao que parece a melhor das hipóteses ver com o cérebro mesmo.

8 – Onde está o lítio?

Se você clicou nos links que eu citei há pouco quando falei da nossa suposta solidão no universo, leu sobre o Big Bang.

Pois bem, para que tudo se tornasse da maneira como conhecemos hoje precisamos de uma explosão capaz de elevar o recém-criado universo a uma temperatura inimaginável. Sabemos disso pois só com essas temperaturas incrivelmente altas é que poderíamos sintetizar elementos como hidrogênio, hélio e lítio.

Os dois primeiros ainda estão por aí, em todos os locais, sendo, respectivamente o 1º e o 2º elemento mais abundante do universo. Já o lítio é encontrado em uma proporção de apenas um terço do que deveria ser de acordo com a “lógica”.

Onde ele foi parar? Essa é a pergunta. As teorias vão desde partículas ainda não descobertas pela ciência até o núcleo de estrelas, onde o lítio estaria aprisionado sem que nós pudéssemos descobrir (ainda não sabemos ao certo o que tem no núcleo de uma estrela. Sim, olha outro mistério aí).

7 – Como a vida começou?

Falando em Big Bang, início do universo, criação dos elementos e tudo mais, outra questão é famosa: Como surgiu a vida aqui na Terra?

Sim, temos certeza que foi a partir de uma única célula que se replicou, multiplicou, evoluiu, cresceu, passou por adaptações, sofreu mutações, e, em alguns bilhões de anos, cá estou escrevendo isso.

Porém, como essa célula surgiu? Essa é a grande dúvida. E as hipóteses são variadas. A principal e mais aceita até o momento dá conta de que essa célula-mãe teria vindo junto de um corpo espacial que caiu aqui na Terra quando o Universo era muito mais movimentado do que atualmente e quando nosso planeta era bombardeado diariamente por coisas aleatórias caindo do céu.

As demais teorias vão desde o caldeirão de matérias primitivas de antigamente até raios, argila, etc. Para conferir estas hipóteses em maiores detalhes, vem comigo nesse link.

6 – Placas tectônicas?

Parece estranho, mas o movimento das placas tectônicas ainda não é totalmente compreendido pelo pessoal.

Placas subterrâneas que se movem, rearranjam continentes, erigem montanhas, desencadeia terremotos e atividades vulcânicas, entre outras coisas, na verdade, só é aceito como fato científico há pouco tempo.

Para piorar, a última grande contribuição para este campo foi na década de 60 quando a hipótese de que o chão do oceano estava se abrindo, rochas caindo lá dentro que então eram recicladas e expelidas novamente em forma de magma foi comprovada. De lá para cá nenhuma novidade.

E para piorar: ninguém explicou por que as placas estão se movendo e por que elas têm o formato que tem.

5 – Por que os animais migram?

Ok, talvez a pergunta acima esteja um pouco mal formulada, admito. Sabemos que eles migram para evitar condições climáticas, como o frio congelante dos invernos, bem como para encontrar parceiros ebuscar ambientes e condições agradáveis para a procriação. Porém, como eles sabem fazer isso?

Alguns migram – seja por água, terra ou ar – milhares de quilômetros em uma direção. Quando a temporada acaba eles não se abalam: é hora de retornar ao local de origem. E no ano seguinte adivinhem: tem mais. Tudo de novo.

O que se sabe é que alguns usam o campo magnético da Terra para isso, onde o próprio corpo funciona como uma espécie de compasso. Ainda assim os cientistas não sabem como eles vão exatamente para onde devem ir, ano após ano.

4 – Como a gravidade funciona?

Gravidade é uma coisa louca. Por causa dela a gente pode dar um salto e ter certeza que não vamos ficar subindo eternamente no céu. Quer ver outra coisa estranha sobre ela? A gravidade da lua acaba afetando nossas marés. Já a gravidade do sol faz com nosso planeta mantenha a mesma órbita e regula, por exemplo, as estações do ano.

A gente sabe o que ela causa e até como ela age, mas por que ela existe, isso já é uma outra história. Uma história bem misteriosa ainda. O que temos até o momento é que gravidade é gerada através da massa. Ou seja: quanto mais massa, mais gravidade e maior o campo gravitacional de um objeto.

Seria a gravidade um tipo de partícula? Uma força? Uma energia? Não se sabe. Na verdade avançamos pouco desde que Isaac Newton descobriu a mesma.

E caso tenha se passado por sua cabeça, SIM, tudo tem gravidade, até mesmo você ou uma bolinha de ping-pong, acontece que com nossa massa insignificante ela é imperceptível.

3 – Por que existe mais matéria do que antimatéria?

Se o universo fosse tão simples quanto a gente gostaria uma coisa teria que ser certa: deveríamos ter a mesma quantidade de matéria e antimatéria, porém, não é isso que ocorre, nem de longe. E para falar a verdade, essa história não é nem um pouco simples.

De acordo com a física das partículas a matéria e a antimatéria são iguais, porém opostas. Assim elas deveriam se encontrar, se destruir e não deixar nada para trás, completando seu ciclo, sendo que a maioria desta destruição teria de ter ocorrido lá nos primórdios do universo.

Entretanto há muita matéria “sobrando” por aí. Matéria suficiente para a criação de bilhões de galáxias, estrelas, planetas e tudo mais. As explicações giram – por enquanto – em partículas com tempo de sobrevida diferenciado, o que estaria dando esse resultado improvável. Para piorar elas poderiam estar em um ciclo, oscilando entre ser uma partícula e uma antipartícula.

Falei que não era tão simples como aparentava.

2 – Do que é feita a matéria negra?

Olhe ao redor, 80% de tudo o que você está vendo é feito de matéria negra. 80% de toda a massa do universo é feito dela. Mas o que é ela?

Bom, sabemos que é uma coisinha bem estranha: Teorizada há mais de 60 anos para explicar algumas particularidades da física teórica esta propriedade nem mesmo emite luz (daí o seu nome e de quebra porque é tão difícil detectá-la). Os cientistas imaginam que ela seja composta de materiais bastante frágeis que poderiam ser até 100 vezes mais pesados do que um próton e que não interage com nossos métodos atuais de detecção.

Para falar a verdade ainda não a comprovamos, mas temos certeza que existe, pois o comportamento de outras coisas no universo só é possível com esta queridinha.

Assim seguimos sem saber o que realmente compõe este tipo de matéria: se axions, neutralinos, photinos ou outros nomes estranhos. Enquanto isso a matéria negra é composta em sua grande maioria de energia negra. Não sabe o que é? Passe para o próximo mistério da lista.

1 – Energia Negra

Parece nome de coisa saída diretamente do Star Wars, mas existe. A gente só não sabe bem porque, como e para que serve, mas ela existe.

A energia negra é considerada o maior mistério de todos. Enquanto a matéria escura está por aí constituindo 80% de toda a massa do universo, a energia escura, acredita-se, é responsável por até 70% do conteúdo do universo (e não só da massa, mas sim, de tudo).

A maior dúvida é: de que diabos a energia negra é feita? Será que ela é uma constante ou será que são flutuações que vão e vêm de acordo com o ponto do universo onde você a estiver observando? Por que ela – aparentemente – possui a mesma densidade da matéria convencional? E o “pior” de tudo: Como adaptar esse novo elemento à teoria da gravidade de Einsten? Será que ele estava errado esse tempo todo? Se essa última questão tiver um “sim” como resposta, muita coisa vai mudar…

Parece pouco? Apenas uma rápida implicação para finalizar: Segundo alguns astrônomos é por causa da energia escura que o universo se expande. Durma com essa.

E aí? Faltou algum outro grande mistério científico que não incluímos na lista? O que tem no centro de um buraco negro, por exemplo? Deixe um comentário 😉

Adaptado de Oficina da Internet.


COMPARTILHE COM OS BROTHERS!

Comentários

comentários

Sobre o Autor

Gabriel Pietro têm 18 anos, é Web Designer e Redator do Acervo Ciência, escrevendo diariamente para o site. Já bancou uma de técnico de informática, e ainda banca de astrônomo amador, sua maior paixão. Atualmente gradua-se no curso de Gestão da Informação, na Universidade Federal de Uberlândia, que não sabe se é de exatas ou de humanas. Assim como ele. Também é aficionado por cinema, comics, política, economia, tretas e música indie. Bata tudo isso no liquidificador e tente entender sua cabeça.